domingo, 8 de janeiro de 2012

O Tempo


O tempo é um velho sem memória,
é um embrião cheio de consciência.

O tempo não existe.
O tempo pré-existe.

Como a água não é o líquido,
mas a sede,
o tempo não é o relógio,
não é o meu calendário,
não é a nossa História.

É o que fica no pó,
é o que sobra do vivido
e do sentido
até o dia do coração parar.

É a vontade de perpertuar.

O tempo é o sereno da noite
evaporado antes do meio-dia.

É a menor distância
entre dois pontos,
mas nunca é linha reta.

Nenhum comentário: