terça-feira, 30 de outubro de 2012

Pindorama: ou vai ou racha!


Pindorama tem diante de si o todo universal e o nada do vácuo, a alegria do reino dos céus e a ardente estagnação do inferno. Estamos no angustioso "momento supremo" de nossa História, de tal forma que tanto o mínimo erro quanto o mínimo acerto nos aniquilarão, arrancando-nos, em "perpétuo definitivo", do estreito caminho do verdadeiro progresso humano. "Ou vai ou racha!"  exclamaria o caipira.

É imperioso um projeto audacioso e generosamente ambicioso, mas ao mesmo tempo pautado pela análise racional de todas as variáveis sociais e culturais do município, que precisam ser canalizadas, filtradas e direcionadas para um "programa civilizatório" que tenha como alvo único e último a formação e sedimentação de uma cultura eminentemente cristã, na qual o cultivo da Língua, da Religião e da Alta Cultura nos acrescentará "todas as demais coisas" (Mateus 6:33) -- ou seja, qualidade de vida numa economia sólida e distributiva.

Nesse sentido, deve-se notar que nossa economia interna é a mais medíocre e pequena da microregião catanduvense, entretanto, ao comparar-se nossa qualidade e potência social e intelectual com a dos nossos vizinhos, é sensato observar que estamos um pouco além: possuímos algo próximo à uma "elite pensante", mesmo que em muito distante daquilo que precisamos -- mas, como dizem, em terra de cegos quem tem um olho é rei. Cabe a nós, então, transformar esses "homens de geléia" em homens de carne e osso, capazes de lutar até que o suor salino converta-se em sangue digno da terra.

Pindorama carece não só de homens de inteligência e com preparo, mas de hominibus bonae voluntatis -- homens de boa vontade.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Vitam impendere vero

"...den Traum eine unwillkürliche Dichtkunst."
(Kant)
 
Hoje céu e terra competem
pelos destroços do coração
daquele que contra a razão
da fortuna queimou ilusão
nas fogueiras sem madeira
sem estampidos e labareda:
são visíveis chamas negras
que teus ideais consomem
tornando realidade utopia.
Dia triste para o sonhador.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Conselhos aos prefeitos eleitos

Texto extraído do fenomenal e supra-temporal clássico de Miguel de Cervantes, "Dom Quixote de la Mancha." A cena (capítulos 52 e 53) -- Sancho Pança vai assumir o governo local e o ingenioso hidalgo lhe dá alguns conselhos:
 
"1. Os trajes devem se ajustar a dignidade de quem os usa. / 2. Atenção à "lei das suposições razoáveis". / 3. Tenha fé. / 4. Conheça primeiro a você mesmo. / 5. Exerça o cargo com branda suavidade e ligada à prudência. / 6. Seja humilde. / 7. A virtude se adquire e vale mais que o sangue que se herda. / 8. Nunca interpretes arbitrariamente a lei.

9. Mais compaixão às lágrimas dos pobres, mas não mais justiça. / 10. Descubra a verdade entre as dádivas dos ricos e entre os soluços dos pobres. / 11. Não carregue com todo o rigor da lei a quem erra. / 12. Em relação ao inimigo esquece a razão de o ser e avalie a verdade do caso. /13. Não te cegue a paixão própria em causa alheia. / 14. A quem tens que castigar com ações, não trates mal com palavras.

15. Dos atributos santos resplandece mais o da misericórdia que o da justiça. / 16. Sejas asseado. Não andes desmazelado. / 17. Tome discretamente o pulso ao que pode render seu trabalho. / 18. Não comas alho nem cebola em função do hálito. / 19. Ande devagar, fale com pausa, mas não que pareça que te escutas a ti mesmo. / 20. Jante pouco.

 21. Moderação ao beber. O vinho em excesso não guarda segredos nem cumpre promessas. / 22. Nunca arrotar na frente de alguém. / 23. Seja moderado em dormir. / 24. Serás incomodado por quem criticas e não serás premiado por quem exaltares. / 25. Tolices dos ricos passam por sentenças no mundo. / 26. Quando se dorme, todos são iguais. / 27. Sem boa índole, não há ciência que valha."