segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Epitáfio para Pindorama

 
"Passant, ne pleure pas ma mort.
Si je vivais tu serais mort." * 
(Epitáfio de Robespierre)
 
Galhos secos caídos sobre o frio concreto,
fio d'água gotejando em presente incerto,
praças solitárias sem cadeiras e conversas,
vida recolhida junto às semanas perversas.

Pindorama é uma noite que já não acaba,
é um ciclo perene de anestesias e políticos,
de falatórios e votos pseudo-democráticos,
de discursos fúteis desde a primeira sílaba.

Cruz de madeira substuída pelo frio neón,
coreto sem música, sem poesia e sem teto,
sem a luz da vela elétrica de mister Edison,
e o largo da Matriz de mato e ateu repleto.

Sem sonhos e com tantas e doídas queixas,
tudo é desordem que se modula nas coxas,
nas mentes doentes de nobre edil e prefeito,
de declarados inimigos de um honesto feito.
 
_______________________________
* Um recado, "além-túmulo", de nossa cidade?

Nenhum comentário: