quinta-feira, 11 de abril de 2013

Lamento por um apóstata

 
Serei eu, um austero puritano,
não tu, presbítero carcamano,
aquele que cuidará do jardim
de Württemberg e das tulipas
nele pelo Semeador plantadas.

Teu joio arrancado com força será
e toda tua erva-daninha queimará
o Ceifador ao cabo da real colheita.


Serei eu, mero aluno ortodoxo,
não tu, um doutor heterodoxo,
aquele que rasgará o pasquim
que tentas equiparar às Letras
Sagradas, às divinas doutrinas.

Tanta mentira para que aproveita,
senão ganhar cela onde ruminará
tenebroso fogo que não se apagará?


Nenhum comentário: