segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Tintinnabulum

Desidéria toca violino
como se flauta doce
em meio à luz fosse
a matéria do desatino

que me veio esta tarde
acordar e recordar
daquele praguejar
da sinfonia que alarde

faz do tempo perdido
em que eu a amava
tanto quanto tocava
baixinho o comovido

oratório que ela ouvia
ao soprar as cordas
rijas com as hordas
de amor que envolvia

o que sobrara de bom
neste meu coração
doente pela ilusão
de manter alto o som.

Ato & Potência

Janela que eu quebrei, diga-me se eu te matei
quando a pedra joguei ou quando nisso pensei;
se foi no rachar do vidro ou no tríduo premeditar
que o teu destino selei ao apenas supor q’mirei
no futuro o ato que no passado eu já acertarei.

O antigo lar


O meu lar tem lareira como a casa romana
e no alto há bandeira como torre normanda.
Tem mirante astral e o elmo grego original.
Meu lar é alumiado pela tocha de Platão
e inundado pelo amenizador luar do baião.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Ação e Reação

"Lei III: A toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade: ou as ações mútuas de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas em sentidos opostos." (Terceira Lei de Newton)


A tormenta se avizinha
sem avisar que tomará
das vinhas todo o fruto
e com chuva mastigará
o antigo mosto da terra.
 
Dos torreões da guerra
e do velho solo roubará
a tempestade até o luto
ruidoso do qual se dirá:
atormenta-se a vizinha.

domingo, 22 de setembro de 2013

Bons tempos


Quando de madeira e pedra
a casa era construída,
a existência era vivida
em amor venerável à Regra.


Todo quarto era uma ermida,
e a sala uma guarida
impenetrável da terra
que o pó refletia na jornada.

Quando o cavalo e o navio
levavam nós homens
além dos pés e do rio,
éramos felizes sem as nuvens.

Toda garupa era um caminho
e a popa um'aventura
pairando com carinho
sobre a face da terra madura.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Noite clara da alma

De nocte consilium...
 
Ó noite pequena de grande sono
vens a mim como o mar brandir
tuas águas pesarosas na janela
do quarto que mais vê-me lendo
que deitado embalado pelo sono.
 
É o conhecimento certeiro e lento
que vai a luz acesa sedimentando
na alma privada de comum alento
que me consola o tempo passando
de letra morta à vida em contento.
 
Não é a noite clara do dia escuro
tão mais superior e aproveitável
à sabedoria que a suja carteira
rabiscada pela sonolenta manhã
dilatada pelo seco grafite escuro?

Cogitare de lana sua?

"Wir kommen nie zu Gedanken. Sie kommen zu uns."
(Martin Heidegger) 
 
O ideal que continua idéia
no coração de um homem
brada como morto animal,
vaga na alcatéia de polén
infértil da mente infernal
 
do mendigo de fortunas,
do sepultador das urnas
vazias do ímpio mistério
de perguntar a afirmação
daquilo que apenas se vê
ao mirar a retina do cego.
 
Pensar é todo dia degolar
de Noé seu último pombo
e trocá-lo por velha coruja
odiada no vermelho limbo

do Olimpo que o céu suja.

Evoluído tempo volitivo

O império das memórias
peleja contra a república
dessas incontáveis horas
que devoro com a idílica
idéia de superar o tempo.

De místico nada há, veja!,
em estudar a órbita lunar,
Mas
transcendente é o soluçar
daquele que tudo deseja.

Democracias não sonham:
Assim, eu de mim tirano,
animo os que conspiram
contra o comício leviano
leiloador do meu tempo.
 

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Astronomia teologal

"Conta o número das estrelas, chama-as a todas pelos seus nomes." (Salmo 147:4)
"E as estrelas cairão do céu, e as forças que estão nos céus serão abaladas." (Marcos 13:25)


De cor suja está pintando o céu
um fiel que tem ateu o coração.

As estrelas começaram a imitar
as faíscas das miseráveis velas
quando começaram a esquecer
seus nomes de divino batismo.

E o doce mel está gotejando fel
neste cálice da fé em desilusão.

domingo, 8 de setembro de 2013

A Senhora e a senhorita

 
O véu e a cortina eram da mesma cor.
Protestante sem ali protestar,
Na mente a liturgia eu já sabia de cor.
 
Maria entre as alvas estrelas reinando
Para que eu parasse a mirar
Helena entre as altas colunas rezando.