quinta-feira, 21 de novembro de 2013

O passo do meu avô

O passo do meu avô de repente resvalou.
O passo reto e forte e apegado à terra
elevou-se no ar e indeciso pela dor
o plano solo humano abandonou.

O passo do meu avô era a pisadura da fé
que ao homem manda superar o abismo
e por no nada aparente a confiança do pé
coerente com a rigidez da nuvem no céu.

O passo do meu avô acrescentou
pó à poeira formadora dos buracos
que os olhos não percebem sem fechar
a visão ao cambaleio das antigas pernas.

Nenhum comentário: