domingo, 8 de março de 2015

Fraqueza pétrea

Por aí alguém me quis dizer que eu sou forte;
Forte como é forte um bloco de granito.
Mas não sou assim forte como o Monte Thor 
Ou o Kailash. Sou apenas rijo grão de areia 
Que caiu no caldeirão de Panoramix
Enquanto o ariete de Saladin rompia  
O argênteo portão de Jerusalém. 

Talvez um bloco de granito sim. 
Bloco sulcado, cheio de retos veios,
De buracos ferido como as chagas 
De um mártir às pedras de Estêvão fiel. 
E estas rupturas com o pó da terra, 
Feito cimento, diariamente eu tapo;
Té que venha a brisa e a carne exponha... 

Nenhum comentário: