quarta-feira, 25 de março de 2015

Mirada fecunda

À Mônica.

Sem retroceder a marca do sol,
sem ao alto a areia volver,
[relógio com graus e ampulheta com grãos]
outra vez cânticos de Salomão ouvireis.
A Sulamita é manifesta,
morena e agradável.

A luz por acaso pode na pele
tomar mais escura cor,
invertendo a cromática escala? 
No regato de luz embebeste os poros da alma.

Quando puseste os olhos nalguma estrela,
eu via Eva nomeando o brilho do firmamento,
quando era nu o céu e as constelações cobriam o mundo
sem se amedrontarem com o fumo embaçador das chaminés. 
Oriental beleza 
em terra ocidental. 

Rebeca saiu com o seu cântaro sobre o ombro. 
Em um gole, oceanos bebi. Oh, saciedade inalterável! 
Contaremos então ocasos e alvoradas
como quem na praia conta a areia-rocha? 

Nenhum comentário: