quinta-feira, 12 de março de 2015

O lavrador sem ideologia [letra de música]

A poeira rubra tinge
o licor que escorre
da trabalhadora fronte. 

O olhar do sertanejo
é um piscar de esfinge
que humilde chora:
mistério e enigma
do homem sincero
que segredo não tem. 

Este imenso prado de dourado trigo
mais se parece com o céu -- com o sol.

A enxada na mão
jamais será arma.
A peleja é ilusão
e tu não te iludes
com castelos de feno
e palácios de nuvem. 

Tem-se terra quando nela se trabalha
e, quando o fruto é colhido, paraíso. 

Nenhum comentário: