sábado, 11 de abril de 2015

Os campos verdes

Quero outra vez os campos verdes,
os vastos campos verdes do meu avô. 
Os campos verdes que iam no monte
se aprofundar, projetando-se ao além
das cercas, do mata-burro, do pasto.
Os campos verdes do café eu quero.
Os campos dos mugidos do gado
leiteiro, do assovio do vaqueiro,
do canto do pássaro despreocupado,
do almoço no fogão à lenha cozido,
do meu sono cedinho desfeito
pelo pisar do trabalho no sereno.
Os campos verdes sossegavam
a minha alma desnudando-se ao sol
pela manhã e à lua no meio da noite.
Ali as sombras eram filhas da paz.
Ali os urubus não tinham sólido pouso.
Os campos verdes -- nossa Canaã...
Outra vez os campos verdes quero.

Nenhum comentário: