quarta-feira, 17 de junho de 2015

A aurora do outro mundo [letra de música]


As flores jamais secarão,
porque naquele Bolsão
há um regato de Sião.

Ali a luz passa pelo céu
sem a atmosfera-véu.
Ali o caminho é laréu.

As folhas não caem:
quando à terra descem,
mansamente jazem.

Toda noite é uma sombra
que para os sonos é obra
do sol quando cerra a pálpebra.

Ali quem canta se encanta:
o ar valsa na garganta
e a alma alegre se levanta.

O meu lar é uma toca,
um ninho que de amor sufoca.
O conto é fiado na roca.

Ali o céu repele o inferno,
a rosa não murcha no inverno,
o homem se conhece no interno.

Nenhum comentário: