quinta-feira, 4 de junho de 2015

A fenda da penha

Eu olhava através do muro
os passos lentos da procissão,
o murmúrio e o silêncio puro.
Como era santo o meu coração! 

Pela brecha eu via o mundo,
compreendia e não entendia
a vida como quem existia
raso mirando o profundo. 
Na Solenidade de Corpus Christi

Nenhum comentário: