domingo, 5 de julho de 2015

Maranata

Oh, diverge do eu, minha cara alma.
Corre à rota de luz, recolhe-te na calma,
porquê ao longe os homens já cantam
e os anjos as trombetas de ar carregam. 
O azul da terra quer ser o azul do céu:
no alto do mundo será a água o véu
da noiva quando o firmamento em paz
se romper para receber o cordeiro vivaz.

Nenhum comentário: