quinta-feira, 30 de julho de 2015

Poemeto do abscôndito


A minha interior ausência
é do Nada a permanência.
Persegue-me pelos cantos
a sombra fria do inverno,
como perseguiu os santos
a chama quente do inferno.  
A minha exterior permanência
é do Todo a ausência. 

Nenhum comentário: