terça-feira, 25 de agosto de 2015

Lux est umbra Dei

O sol que nasce, para os que nasceram nasce.
Morre diariamente a luz do alqueire celeste
para que tua fé, ó homem, sopre combustível 
(teu fôlego) sobre as brasas da treva-madrugada. 
Está negra a noite e negros temores te dominam? 
Espera pela manhã, porquê de paz se ilumina
o coração que com luz o corpo do mundo irriga. 
A aurora vem primeiro raiar no teu íntimo lagar.

Nenhum comentário: