quarta-feira, 16 de março de 2016

Réquiem para Napoleão

O cavalo, manco e doente, avança
Sobre a artilharia -- rija e potente.
A Arte o pôs correndo hirto e forte,
Na imensa tela cortesã pincelado.

Agnello di Dio, che togli i peccati del mondo, abbi pietà di noi. 

Vai ter com Louis em Waterloo. 
Em Santa Helena o casebre é château
E é na jovem galinha que anarquiza 
As peças do xadrez 
Que se usa o bastão generalício. 

Agneau de Dieu, qui enlèves le péché du monde, prends pitié de nous. 

Onde o chá dos beys egípcios 
Com mel adoçado (as abelhas...)
E em porcelana china servido?
Bebe chá inglês em louça inglesa, 
Adoçado com o poeirento açúcar 
da Martinica. Iure uxoris.

Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, miserere nobis. 

Nenhum comentário: