sábado, 18 de junho de 2016

Diário em Midgard -- VI

Será o luar mais forte que a própria lua? O luar, sabei, persiste sendo coisa do sol. O sol, ignoto por doze horas, ainda assim dá as caras. Então, que é a lua senão o espelho refletor de uma glória que não a sua? A fogueira que aquece nossos pés e assa nossas batatas é, por si, mais refulgente que a adorável rainha noturna.

Ah, quereis saber qual é a particular glória da lua? É a humildade, crianças. A lua é uma virgem ajoelhada diante da hóstia galáctica, é como aquele profeta que descia do monte com o rosto resplandecendo -- um poucochinho -- Ele.

Todavia, quem ousará dizer que a lua é inferior à estas fagulhas natimortas ou mesmo de qualidade severamente mais modesta que qualquer espirro das anãs negras? A lua nos está sorrindo, radiosa como o grande prato de latão do ourives da aldeia, porque também esta fogueira nos ilumina a face. 

Nenhum comentário: