sábado, 18 de junho de 2016

Eterna entropia

Dentro da caixinha, uma galáxia.
Dentro do frasquinho, um oceano. 
Todo líquido escoando pelos anos.
Toda matéria gastando-se solitária.  

O sol mirrando no horizonte.
A mirra escorrendo na fronte.
A hora esvaindo-se pelo dia.
A soledade gotejando a noite.

As estrelas têm ainda um nome?
Já se evaporaram os sete mares?
Toda água, terra, fogo e ar: adeus.
Todas as coisas voltam para Deus. 

Nenhum comentário: