quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Covardia

Se eu tivesse um cantil,
Partiria para o deserto.
Seria soldado da legião,
Seria eremita solitário.
Seríamos eu e a areia.
Mas não tenho cantil.
Uma cabaça nortista?
Não, não é de metal.
O cantil de Napoleão.
O cantil de Foucauld.
Se eu precisar de chá,
O cantil vai ao fogo.
A cabaça queimaria.
Sem cantil, nada feito.
Nem tiro, nem retiro.

Nenhum comentário: