sábado, 12 de novembro de 2016

Derradeira Vitória [letra de música]

para a melodia de "Lacrimosa",
de Zbigniew Preisner

Escuta o silêncio que murmura,
Escuta porque aí vem a secura
E os regatos e bosques que vês
Serão deserto, vácuo e planura.
O galo cantará às falanges suas
E ás águias perderão as plumas!

Não ousas reconhecer esta voz
Que escreve lamentos em Sião?
Lembra-te outra vez que és pó
E que o granito já está talhado
E que a hera foi ontem semeada,
E que o tempo é finita imensidão.

O rebento do pardal quer voar,
Quer alcançar o mistério sideral
Sem ofegar, sem à sede ceder,
Sem deixar de ser pobre pardal.
Como é puro o canto dos anjos!
Ao paraíso eles me conduzirão?

Quem quaeritis in sepulchro? (bis 18x)

Nenhum comentário: